Dezembro Laranja: Previna-se e não sinta na pele as consequências!

Em dezembro, chega o verão. Com as festas e feriados de fim de ano, logo sonhamos com praia, água de coco, picolé e muito sol. Dias quentes e ensolarados podem renovar nossas energias, mas é preciso ter cuidado.

É por isso que, desde 2014, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) deu início ao Dezembro Laranja, movimento de combate ao câncer de pele, ajudando a alertar a população sobre os perigos da exposição sem proteção ao sol.

 

O dano solar começa cedo, é silencioso e comum

O câncer de pele é muito comum. Cerca de 1 em cada 4 casos diagnosticados de câncer são de pele, o que representa 25% de todos os casos. A dica para descobrir é conhecer a sua pele e ficar atento às mudanças, como surgimentos de novas pintas e pequenas alterações ou alergias.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que surjam 165.580 novos casos de câncer não melanoma entre 2018 e 2019. Na tentativa de reverter esses números, a campanha conta com ações de conscientização em praias e parques, distribuição de filtro solar e informação sobre medidas fotoprotetoras durante todo o verão.

 

“Pegue um bronze”, mas não se queime

O tema de 2018 continua sendo um trocadilho entre a exposição solar e a exposição nas redes sociais. Os usuários são estimulados a fazer postagens com roupas laranjas, usando a hashtag #DezembroLaranja.

 

Como se proteger?

Felizmente, o câncer de pele é curável, com chances muito maiores se descoberto cedo. Para prevenir, algumas atitudes simples podem fazer uma grande diferença. Usar protetor solar diariamente, é claro, é uma delas. Também é importante evitar a exposição solar, especialmente entre 10h e 16h e usar camiseta, chapéus de abas largas e óculos de sol.

 

Previna-se e não sinta na pele as consequências

A doença pode ser melanoma, no qual o tumor afeta as células responsáveis por produzir a melanina (podendo provocar metástase), ou não melanoma, mais comum e menos agressiva.

Fique de olho na sua pele e procure um médico especializado caso note alguma pinta ou mancha nova no corpo, não esquecendo de observar também se houver alguma mudança de tamanho, de cor ou a presença de bordas irregulares e borradas.

Lembre-se que o risco de desenvolver um câncer de pele é maior em pessoas de pele clara e que o histórico familiar é importante.

Não deixe de consultar um dermatologista e mantenha uma rotina preventiva.

Novembro Azul: É importante quebrar o preconceito e combater o câncer de próstata!

Com o fim de ano se aproximando, chega também a campanha de conscientização Novembro Azul. Conhecida internacionalmente como Movember, foi iniciada em 2003, na Austrália, por meio da iniciativa de um grupo de amigos que deixou o bigode crescer com o intuito de chamar a atenção para o câncer de próstata, além de outras doenças comuns em homens.


Durante todo o mês, diversas entidades ao redor do mundo realizam ações com o objetivo de conscientizar a população e garantir o diagnóstico precoce da doença. O movimento chegou ao Brasil em 2008, a partir da iniciativa do Instituto Lado a Lado pela Vida em conjunto com a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia).
Entretanto, mesmo com o crescimento da campanha, o maior desafio continua sendo vencer o preconceito em relação ao exame de toque.

Câncer de Próstata em Números

Segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de próstata – um dos mais frequentes entre homens – é responsável por cerca de 60 mil novos casos por ano no Brasil.
E, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), é um dos três tipos que mais atingem brasileiros.  Estima-se que 1 a cada 6 homens pode ter câncer de próstata. Mas, assim como o câncer de mama, que também possui sua própria campanha de conscientização (Outubro Rosa), o câncer de próstata tem chance de cura quando diagnosticado mais cedo. E as chances são grandes: cerca de 9 em cada 10 casos.

Quais são os sinais?

Em alguns casos, o paciente pode sentir dor e necessidade constante de urinar. Na fase avançada, o câncer pode provocar dor nos ossos, infecção generalizada e até mesmo insuficiência renal.
Mas é aí que está o problema: na maioria dos casos, esse tipo de câncer não apresenta sintomas inicialmente. Por isso a prevenção é tão importante!

Como prevenir?

Uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e pobre em gorduras, especialmente de origem animal, pode ajudar a evitar o surgimento da doença. Atividades físicas, controle do peso corporal, diminuição do consumo de álcool e o abandono do hábito de fumar também são recomendados.
A melhor maneira de evitar que o câncer evolua é fazer o exame de toque retal e o exame de sangue PSA, garantindo assim o diagnóstico precoce.

Vencendo o preconceito

No caso do câncer de próstata, a idade é um fator de risco. Portanto, homens a partir de 45 anos devem realizar os exames anualmente. Porém, aqueles com histórico de casos na família devem procurar o urologista ainda antes.
Infelizmente, o preconceito ainda é o maior fator de dificuldade, que muitas vezes impede o diagnóstico a tempo. É importante não se esconder atrás dele.
Consulte um urologista, previna-se e ajude a combater essa doença!