Coronavírus ou crises alérgicas respiratórias? Aprenda a diferenciar

A chegada da estação mais fria do ano é marcada pelo aumento das alergias respiratórias, como a asma e a rinite. Porém, no cenário atual causado pela pandemia do COVID-19, é possível que muitas pessoas tenham dificuldades em distinguir entre os sintomas de alergia e os de uma possível infecção por Coronavírus.

No entanto, existem diferenças importantes nos dois conjuntos de sintomas que devemos levar em consideração. De acordo com o American College of Allergy, Asthma and Immunology, os principais sintomas causados por uma crise alérgica-respiratória são:

Corrimento nasal, nariz entupido e/ou espirros

Chiado ou falta de ar

Tosse seca

Erupções cutâneas

Fadiga

Dor de cabeça

Coceira no nariz, garganta e/ou ouvidos

Lacrimejamento ou inchado nos olhos

 

Já os cinco sintomas mais comuns causados pelo COVID-19, segundo o CDC (Centers for Disease Control and Prevention), são:

 

Febre

Falta de ar

Tosse seca

Perda do olfato

Perda do paladar

 

De acordo com a OMS, dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta ou diarreia são alguns dos sintomas menos comuns aos infectados, mas que também devem ser levados em consideração na hora do diagnóstico.

A principal diferença entre infecção alérgica e COVID 19 é a febre. Outra distinção é que as alergias apresentam coceira, enquanto o coronavírus não. 

Ao menor sintoma entre em contato com um especialista através da plataforma de telemedicina da VidaClass e tire todas as suas dúvidas. Acesse o nosso site e marque uma consulta hoje mesmo, sem sair de casa: www.vidaclass.com.br/coronavirus

Vacina contra o COVID-19 será testada no Brasil

Com mais de 700 mil casos confirmados oficialmente, a América Latina se tornou para a OMS o novo epicentro da pandemia de Coronavírus.

De acordo com os especialistas, a combinação da subnotificação de casos de infectados e de óbitos e a trajetória ascendente de mortes contribuíram para essa situação. 

Pensando nesse cenário, a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca será  testada no Brasil. 

O recrutamento com cerca de dois mil voluntários teve início em junho e deverá ter foco em profissionais da área da saúde ou trabalhadores de alta exposição ao vírus – como equipes de limpeza de hospitais e motoristas de ambulância. Outro fator importante é que nenhum dos voluntários escolhidos tenham sido diagnosticados anteriormente com a COVID-19.

O Brasil é o primeiro país fora do Reino Unido a participar dos testes, que estão na segunda fase e contam com o apoio do Ministério da Saúde. Em São Paulo, eles serão conduzidos pelo centro de referência para imunobiológicos da Unifesp, e os gastos da infraestrutura médica e equipamentos serão cobertos pela Fundação Lemann. A previsão é a de que a vacina esteja pronta para aplicação em 2021.

Até lá, procure tomar os cuidados necessários à sua saúde e a de sua família. Entre em contato com os melhores profissionais através da plataforma de telemedicina da VidaClass e marque uma consulta para esclarecer todas as suas dúvidas, com um valor que cabe no seu bolso. Acesse: www.vidaclass.com.br/coronavirus

Infodemia: o que é e por que tomar cuidado?

Diariamente somos bombardeados pela internet e redes sociais com uma enorme quantidade de informações sobre os mais diversos assuntos. À medida que a pandemia avança, crescem também a onda de informações erradas ou de curas e conselhos sem fundamento. Com tanta coisa sendo dita, algumas podem, inclusive, colocar a saúde das pessoas em risco. 

À medida que as pessoas procuram respostas, informações falsas infelizmente começam a circular com força total e por conta disso, por exemplo, o compartilhamento de notícias falsas sobre o COVID-19 passou a ser crime na África do Sul

Notícias como a eficácia de remédio de piolho no combate ao Coronavírus, o uso do café para prevenir a doença e alimentos alcalinos como forma de prevenção, são apenas alguns exemplos de desinformação que bombardearam as redes sociais nos últimos dias. 

Tendo tudo isso em vista, recentemente a OMS chamou esse cenário de Infodemia. Mas como separar as notícias verdadeiras das chamadas fake news e evitar a desinformação? 

O primeiro passo é refletir sobre a informação recebida antes de compartilhá-la. Basta fazer uma busca rápida para se certificar da sua veracidade. Além disso, é importante prestar atenção aos fatos e checar se a fonte veio de algum órgão oficial. O site da OMS tem atualizações confiáveis e o Ministério da Saúde criou uma página especificamente sobre as fake news.

Cautela é a palavra principal, pois a desinformação pode se espalhar tão rápido quanto o vírus, mas fazer as perguntas certas pode prevenir a infodemia.

Você também pode se informar através do blog e redes sociais da VidaClass. Além disso, também pode se prevenir e tirar dúvidas com profissionais gabaritados pelo Ministério da Saúde através da nossa plataforma de teleatendimento

O risco do Coronavírus para pessoas asmáticas

Pessoas com doenças crônicas como a asma estão no grupo de maior risco de complicações, caso sejam infectadas pelo novo Coronavírus.

Trata-se de uma doença causada pela inflamação das vias aéreas, que atinge mais de 20 milhões de brasileiros de todas as faixas etárias. Destes, cerca de 10% apresentam sintomas graves, que exigem cuidados e tratamentos constantes.

Mas por que a combinação do COVID-19 e asma pode ser perigosa? Estudos afirmam que uma pessoa nessas condições tem os pulmões e o sistema imunológico mais frágeis e por isso deve tomar cuidados redobrados nesse momento. 

De acordo com o Dr. Rafael Stelmach, pneumologista do Instituto do Coração e Presidente da Fundação ProAr, a chegada do inverno pode trazer também um aumento das crises respiratórias que, agravadas pelo Coronavírus, podem trazer resultados ainda piores. 

Por isso, manter o tratamento em dia e os sintomas sob controle são ações que podem limitar os riscos de uma crise em caso de uma infecção viral como o COVID-19. Assim, medidas como o isolamento das atividades sociais e a higiene pessoal são fundamentais. 

Não descuide da sua saúde em um momento tão delicado como este. Aqui na VidaClass você encontra os melhores pneumologistas do Brasil. Marque a sua consulta de uma forma simples e rápida através do seu celular ou computador e o melhor: faça o seu atendimento sem sair de casa, através da nossa plataforma de telemedicina. Acesse: www.vidaclass.com.br

Atenção aos novos sintomas do COVID-19

Cientistas do mundo todo estão trabalhando à exaustão para aprimorar o combate ao novo Coronavírus. Diariamente novas informações são divulgadas, e recentemente o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) incluiu 5 novos sintomas que também podem acometer as pessoas infectadas.

Os três sintomas mais comuns para a grande maioria das pessoas infectadas pelo Coronavírus são febre, tosse seca e falta de ar, mas agora também devemos ficar atentos aos seguintes sinais:

 

  • Tremores e calafrios constantes
  • Dores musculares
  • Dores de cabeça
  • Dor de garganta
  • Perda do olfato e paladar

 

O doente não necessariamente deve apresentar todos esses sintomas, mas uma combinação deles pode ser um sinal de alerta.

Além dos sintomas acima, algumas erupções cutâneas também foram observadas em alguns pacientes hospitalizados e diagnosticados com o COVID-19. De acordo com um pequeno estudo conduzido por médicos espanhóis e publicado pela revista científica British Journal of Dermatology, essas erupções tendem a aparecer em pessoas mais jovens, durar vários dias e podem ter as seguintes características:

 

  • Lesões assimétricas e doloridas (semelhantes a frieiras ao redor das mãos e pés)
  • Pequenas bolhas no dorso e membros
  • Áreas da pele rosadas ou brancas acompanhadas por coceira
  • Pequenas protuberâncias vermelhas, achatadas e elevadas
  • Necrose

 

Vale lembrar que erupções na pele como sintoma de um vírus não é incomum. Ccomo exemplo podemos citar as brotoejas criadas pela catapora. Por isso, os pesquisadores ressaltam que pode ser difícil diferenciá-las sem um auxílio médico. 

Se você apresenta alguns dos sintomas citados acima ou tem alguma dúvida, não se automedique e procure um profissional de saúde gabaritado para te ajudar. Aqui na VidaClass, nós contamos com uma plataforma de teleatendimento e seguimos todos os protocolos do Ministério da Saúde. Marque sua consulta hoje mesmo: www.vidaclass.com.br/coronavirus

Coronavírus: A obesidade como fator de risco

Os idosos não são o único grupo de risco do novo Coronavírus. Pessoas com pelo menos uma comorbidade também estão mais propensas a desenvolver os sintomas mais graves da doença.

Os principais fatores de risco são:

 

  • Hipertensão
  • Diabetes
  • Doenças coronarianas
  • Doenças vasculares cerebrais

 

Inclusive, muitas dessas condições estão relacionadas diretamente a um mal que atinge um em cada oito adultos no mundo: a obesidade.

Como sabemos, a obesidade é apontada como um fator de risco para desenvolver doenças cardiovasculares e hipertensão. Alguns estudos também indicam que pessoas obesas têm três vezes mais risco de contrair diabetes. 

Segundo médicos, o excesso de peso causa um estado de inflamação crônica no corpo e isso afeta o funcionamento das células e suas superfícies, interrompendo sua função natural de barreira protetora, o que facilita o ataque de vírus como o COVID-19. 

Os quilos extras também têm efeitos negativos na nossa imunidade, pois reduzem a produção de proteínas vitais que compõem o sistema imunológico. Além disso, quem sofre de obesidade severa pode ter os pulmões afetados para respirar normalmente, sofrer de apneia do sono e ter problemas de reoxigenação. Como o Coronavírus ataca principalmente os pulmões, nessa situação, o paciente tende a sofrer mais. 

Por isso, não deixe de lado o tratamento da obesidade! Aqui na VidaClass você pode ter acesso aos melhores nutricionistas e endocrinologistas do Brasil. Além disso, também pode contar com as facilidades da nossa plataforma de telemedicina para marcar uma consulta sem sair de casa. Acesse: www.vidaclass.com.br

Dia da Imunização: a importância das vacinas e o desenvolvimento da vacina contra o COVID-19

Hoje é o Dia da Imunização e, como sabemos, as vacinas são um assunto de extrema importância para a saúde pública. Elas impedem a propagação de doenças contagiosas que podem ser mortais, como sarampo, poliomielite, caxumba, catapora, difteria, HPV, entre outras.

Atualmente, estamos vivendo um momento de incertezas gerado pela pandemia do COVID-19, e os cientistas estão se dedicando a estudos e pesquisas em tempo integral para encontrar uma cura para a doença o mais rápido possível.

Recentemente, um laboratório americano anunciou resultados preliminares positivos da primeira vacina contra o Coronavírus. De acordo com eles, oito pessoas que nunca tiveram a doença tomaram duas doses da vacina nos meses de março e abril, criaram anticorpos para combatê-la e não apresentaram efeitos colaterais relevantes. Segundo o diretor-médico do laboratório, até uma pequena dose foi eficiente. 

O próximo passo será testar a vacina em cerca de 600 voluntários e, se tudo correr bem, em julho começará a última (e mais importante) etapa de testes. A expectativa é de que o medicamento possa ser distribuído ainda no fim desse ano ou até o começo de 2021.

Com o intuito de ajudar a população nesse momento, a VidaClass disponibiliza uma plataforma de teleatendimento, onde é possível ser atendido por profissionais gabaritados da área da saúde e tirar todas as dúvidas necessárias sem sair de casa. Acesse o link e saiba mais: www.vidaclass.com.br/coronavirus

3 motivos para fazer uso da telemedicina

A telemedicina já é uma realidade em muitos lugares do mundo, mas recentemente o Ministério da Saúde regulamentou a prática no Brasil, com o intuito de colaborar na contenção do coronavírus. 

Como este tipo de atendimento é novidade no país e encontra-se  liberado momentaneamente durante a pandemia, é normal que algumas pessoas sintam-se inseguras em usá-lo. Listamos abaixo 3 das principais vantagens do uso da telemedicina.

1) Menor custo para o paciente e menos incômodo

Infelizmente o acesso à saúde é um grande problema no Brasil. Nem todos têm convênio médico e muitos precisam enfrentar filas intermináveis em hospitais públicos. Quando há a opção de pagar por uma consulta, o preço costuma estar fora das possibilidades da maioria dos brasileiros e, nesse momento de pandemia, procurar um hospital pessoalmente pode ser ainda pior. 

No entanto, a tecnologia pode ser uma grande aliada durante a pandemia. Com a telemedicina é possível fazer consultas com profissionais gabaritados, sem sair de casa e a preços acessíveis. Aqui na VidaClass, por exemplo, é possível marcar um horário com um profissional da saúde por apenas R$30,00 diretamente pelo site ou através do app.

2) Atendimento Rápido

Sim, a saúde no Brasil é cheia de desafios tanto para médicos quanto para pacientes. A falta de leitos, materiais de enfermagem, longas filas de espera e distância são apenas alguns deles. 

Para resguardar a saúde de pacientes e profissionais, a telemedicina é, com certeza, uma grande aliada. O paciente pode fazer tudo online, desde agendar um horário até falar com o profissional da saúde e tudo isso em tempo hábil para tomar alguma atitude, caso necessário. Aqui na VidaClass, temos profissionais disponíveis todos os dias das 8h às 18h, e o melhor: todos capacitados e seguindo o protocolo do Ministério da Saúde.

3) Diagnóstico ágil

A fim de esclarecer dúvidas da população e passar as orientações corretas, a telemedicina é uma excelente opção. Com ela, é possível obter orientações de forma ágil, vindas diretamente de um profissional da área da saúde que saberá tratar cada situação da forma devida.

Não fique na dúvida! Para marcar seu atendimento via telemedicina com a VidaClass. Basta acessar o site (www.vidaclass.com.br/coronavirus) ou baixar o app.

Por que os jovens também devem se preocupar com o Coronavírus?

Uma característica bem marcante na pandemia do novo coronavírus é o perfil da maioria absoluta das vítimas fatais: idosos com doenças pré existentes. Ainda assim, o pensamento de que os mais jovens estão imunes é equivocado. 

Uma das principais razões para a baixa mortalidade entre os mais jovens é que seu sistema imunológico é mais forte, o que os ajuda a combater o vírus e se recuperar da doença. 

No entanto, de acordo com o professor Willem van Schaik, da Universidade de Birmingham, pensar que pessoas abaixo dos 50 anos sempre terão sintomas leves é um equívoco, pois haverá indivíduos mais jovens e igualmente doentes que precisarão de tratamento. 

Segundo relatos de profissionais da linha de frente do combate ao COVID-19, o problema é que os jovens, por serem menos suscetíveis a desenvolver os sintomas mais graves da doença, podem acabar se expondo mais ao risco, ocupando, assim, leitos que poderiam ser destinados a quem mais precisa deles, além de espalhar o vírus para outras pessoas mais vulneráveis.

Para se ter uma ideia, no Brasil, cerca de 66% dos idosos moram na mesma casa que outros membros da família (normalmente filhos e netos) e apenas 21% moram sozinhos. Por isso, o diretor geral da OMS deu um recado específico aos mais jovens, orientando-os a seguir as mesmas regras e tomar todos os cuidados necessários para cuidar da sua vida e também da do próximo. 

O COVID-19 é consideravelmente mais contagioso que a gripe, e cada indivíduo com o vírus pode transmiti-lo para duas ou três pessoas em média. Isso significa que um número aparentemente pequeno de pessoas se transforma rapidamente em centenas.

Para contribuir nesse combate, a VidaClass está oferecendo atendimento via telemedicina com profissionais que seguem todos os protocolos do Ministério da Saúde. Por apenas R$30,00, e sem sair de casa, você poderá tirar todas as suas dúvidas. Acesse: www.vidaclass.com.br/coronavirus

A telemedicina no combate ao COVID-19

O investimento em tecnologias digitais na medicina pode melhorar a relação entre médico e paciente, além de ajudar a barrar pandemias, como no caso do novo coronavírus. 

Para colaborar na contenção e prevenção do COVID-19, o Ministério da Saúde regulamentou recentemente os atendimentos médicos à distância. Por enquanto, a liberação da telemedicina será válida apenas durante a pandemia. 

Na prática, a medida que visa reduzir a propagação do COVID-19 através de plataformas digitais, poderá ser usada para tirar dúvidas, fazer suporte assistencial, consultas, monitoramento e diagnósticos tanto em atendimentos do Sistema Único de Saúde como da rede privada.

Os pacientes poderão entrar em contato com os profissionais que, seguindo todas as normas do Ministério da Saúde, estarão aptos a orientá-los sem colocar a sua saúde em risco ao sair de casa. 

Neste momento contamos com uma escassez de testes e também de leitos hospitalares.  A população se sente insegura sem saber se está ou não contaminada.  Assim sendo, a telemedicina se tornou uma medida de extrema importância na realização de triagem e esclarecimento de dúvidas, firmando um papel essencial no combate à disseminação da doença e do pânico.

O uso da tecnologia para atendimentos médicos pode ser visto também como uma medida inclusiva, pois trata-se de uma ferramenta ágil e de baixo custo.

Pensando no seu bem estar e na saúde da sua família, nós da VidaClass saímos a frente para implementar uma plataforma exclusiva de atendimento remoto através do nosso site ou aplicativo, onde você poderá fazer consultas por um valor que cabe no seu bolso: R$30,00. 

Acesse hoje mesmo: www.vidaclass.com.br/coronavirus