Hanseníase: Mitos e Verdades

Causada pela bactéria Mycobacterium leprae, a hanseníase é uma infecção crônica caracterizada por sintomas que incluem fraqueza muscular, lesões na pele, sensação de dormência nos braços, pés, pernas e mãos. 

Também conhecida como lepra, a bactéria causadora da hanseníase se multiplica de forma extremamente lenta e, portanto, a infecção mostra os sinais alguns anos após o início da infecção.

O período de incubação do Mycobacterium leprae vai de vai de dois até dez anos, pois a bactéria responsável pelos sintomas se multiplica muito lentamente e de acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o Brasil tem cerca de 30 mil novos casos de hanseníase por ano.

Ainda nos dias atuais, há muita desinformação e mito em torno da doença. Por isso, separamos os principais para abordar nesse post:

Mito 1: A hanseníase não é mais um problema.

Fato: Todos os anos, um número significativo de pessoas é afetado pela hanseníase. Os equívocos associados à condição os impedem de se apresentar e falar sobre isso. Isso leva ao atraso no diagnóstico e tratamento. Notavelmente, a hanseníase é uma das principais causas de incapacidade no mundo. 

Mito 2: A hanseníase não pode ser tratada.

Fato: A hanseníase tem cura. Existem vários antibióticos disponíveis para tratar a infecção. Em 1995, a Organização Mundial da Saúde desenvolveu a poliquimioterapia para tratar todos os tipos de hanseníase. Certos antibióticos fortes podem matar as bactérias e prevenir a ocorrência de complicações associadas, incluindo perda de cabelo, desfiguração, deficiência, cegueira, infertilidade, insuficiência renal, etc.

Mito 3: Apenas os idosos são afetados pela hanseníase.

Fato: A hanseníase não é específica para a idade. Pode afetar qualquer pessoa a qualquer momento. As pessoas provavelmente acreditam nesse equívoco por causa do longo período de incubação das bactérias causadoras da hanseníase e sinais e sintomas visíveis extremamente retardados. Há casos em que uma pessoa foi afetada pela infecção durante a idade adulta e apresentou sinais visíveis quando envelheceu.

Se você notar manchas brancas ou avermelhadas pelo corpo, sensação de dormência e não sentir calor ou frio, procure um dermatologista para que possa ter um diagnóstico.

Aqui na VidaClass você tem acesso aos melhores dermatologistas do Brasil, com um preço que cabe no seu bolso. Acesse nosso site e saiba mais.

Promessas de ano novo: 3 dicas para conseguir cumpri-las

Ao começar um novo ano, temos a sensação de ter uma nova chance de recomeçar. Tomamos notas, mentalmente ou no papel, das resoluções de Ano Novo que estamos determinados a cumprir. 

No entanto, com muita frequência, tropeçamos nos primeiros passos da mudança e nos retiramos silenciosamente para hábitos antigos e insalubres. Por que não determinar que este ano seja diferente com algumas dicas úteis sobre como definir as metas de Ano Novo da VidaClass?

1. Anote as metas e revise-as periodicamente

Resoluções que não são escritas estão destinadas a falhar rapidamente. Então escreva-as. Além disso, mantenha sua lista de metas de Ano Novo em um lugar onde você as veja regularmente, para que possa revisar seu progresso e se comprometer novamente.

2. Defina metas realistas e atingíveis

Embora seja ótimo perder 20 quilos, sair das dívidas e conseguir um novo emprego que pague o dobro do seu salário no próximo ano novo, você quer ter certeza de que quaisquer resoluções que você definir sejam aquelas que você pode realizar em doze meses. Então, em vez de definir uma meta enorme que envolve muitas etapas, trabalhe com metas menores que podem ser alcançadas razoavelmente.

3. Crie metas para diferentes áreas da sua vida

Claro, você pode estar mais preocupado em colocar suas finanças em ordem, mas e as outras áreas da vida? Se você definir uma ou duas metas em cada uma delas, verá um efeito cascata em todas as áreas.

E não se esqueça, para que os seus objetivos sejam alcançados, a sua saúde precisa estar em dia. Agende uma consulta através da nossa plataforma e faça um check-up anualmente.

3 cuidados essenciais com a pele durante o verão

As temperaturas aumentaram, os dias ensolarados chegaram e com eles vieram uma infinidade de problemas de pele, cabelo e saúde, como as insolações e alergias. 

A falta de cuidados essenciais podem alterar a qualidade da sua pele, deixando-a oleosa, sem brilho e manchada. Como já sabemos, os filtros solares são importantes para a saúde da pele, mas alguns podem piorar a acne. Por isso, os dermatologistas recomendam proteger a pele propensa a manchas e acne com uma fórmula leve e sem óleo, rotulada como não-comedogênica (o que significa que não deve entupir os poros), além de mantê-la sempre limpa.

Sendo assim, separamos para vocês alguns cuidados essenciais para ter com a pele nesse verão:

1- Respeite seus limites

Caso você ultrapasse os seus limites de exposição ao sol, descanse em local fresco. Beba sucos naturais ou bebidas enriquecidas com eletrólitos. Não volte para atividades externas, mesmo depois que se sentir melhor, pois isso pode levar à exaustão.

2- Não abra mão da hidratação

A hidratação adequada previne possíveis irritações, ameniza o aspecto esbranquiçado, melhora a textura e o mais importante: protege a pele dos agentes externos.

3- Fique de olho na alimentação

Evitar comidas pesadas e com muita gordura nessa época pode ajudar na saúde da sua pele. Abuse de comidas leves e frutas.

Não abra mão dos cuidados com a sua pele. Acesse nosso site e marque uma consulta hoje mesmo com os melhores dermatologistas do Brasil.

Dia do Hemofílico: o que é e tratamentos

O dia do hemofílico foi instituído no Brasil no dia 04 de janeiro, com o intuito de conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce da hemofilia e do tratamento adequado.

A hemofilia é um distúrbio hemorrágico hereditário no qual o sangue não coagula adequadamente. Isso pode causar sangramento espontâneo, bem como sangramento após ferimentos ou cirurgia. 

Em casos raros, uma pessoa pode desenvolver hemofilia mais tarde. A maioria dos casos envolve pessoas de meia-idade ou idosas, ou mulheres jovens puérperas ou em estágios avançados de gravidez. Essa condição geralmente se resolve com o tratamento adequado.

Os sinais comuns de hemofilia incluem:

  • Sangramento nas articulações: pode causar inchaço e dor ou aperto nas articulações; frequentemente afeta os joelhos, cotovelos e tornozelos;
  • Sangramento na pele (que causa hematoma) ou nos músculos e tecidos moles, causando um acúmulo de sangue na área (denominado hematoma);
  • Sangramento da boca e gengivas e que é difícil de parar após a perda de um dente;
  • Sangramento após a circuncisão;
  • Sangramento após receber injeções, como vacinas;
  • Sangramento na cabeça de um bebê após um parto difícil;
  • Sangue na urina ou nas fezes;
  • Sangramentos nasais frequentes e difíceis de parar.

A melhor maneira de tratar a hemofilia é repor o fator de coagulação do sangue ausente para que o sangue possa coagular adequadamente. Isso é feito infundindo (administrando através de uma veia) concentrados de fator comercialmente preparados. 

Os cuidados médicos de boa qualidade prestados por médicos e enfermeiras que sabem muito sobre a doença podem ajudar a prevenir alguns problemas graves. 

Aqui na VidaClass você tem acesso aos melhores profissionais da saúde no Brasil. Acesse o nosso site e saiba mais.

Dezembro Vermelho: HIV – fatores de risco e prevenção

Como sabemos, o HIV é causado por um vírus. Pode se espalhar por contato sexual ou sangue, ou de mãe para filho durante a gravidez, parto ou amamentação. Qualquer pessoa de qualquer idade, raça, sexo ou orientação sexual pode estar infectada com HIV / AIDS. 

No entanto, você corre maior risco de contrair HIV / AIDS se:

  • Fizer sexo desprotegido: use uma nova camisinha toda vez que fizer sexo. O sexo anal é mais arriscado do que o sexo vaginal. O risco de contrair HIV aumenta se você tiver múltiplos parceiros sexuais;
  • Tenha alguma DST: muitas DSTs produzem feridas abertas nos órgãos genitais. Essas feridas funcionam como portas de entrada para o HIV entrar em seu corpo;
  • Use drogas IV: pessoas que usam drogas intravenosas geralmente compartilham agulhas e seringas. Isso os expõe a gotas de sangue de outras pessoas;

Formas e prevenção

  • Use o tratamento como prevenção (TasP): se você vive com o HIV, tomar medicamentos para o HIV pode evitar que seu parceiro seja infectado pelo vírus;
  • Use profilaxia pós-exposição (PEP) se você foi exposto ao HIV: se você acha que foi exposto por meio de sexo, agulhas ou no local de trabalho, entre em contato com seu médico ou vá ao pronto-socorro;
  • Use um novo preservativo sempre que fizer sexo;
  • Informe seus parceiros sexuais se você tem HIV: é importante dizer a todos os seus parceiros sexuais atuais e anteriores que você é HIV positivo. Eles precisarão ser testados;
  • Use uma agulha limpa: se você usar uma agulha para injetar drogas, certifique-se de que esteja esterilizada e não a compartilhe;
  • Se você estiver grávida, procure atendimento médico imediatamente. Se você for HIV positivo, você pode transmitir a infecção para seu bebê. Mas se você receber tratamento durante a gravidez, pode reduzir significativamente os riscos do seu bebê.
  • Considere a circuncisão masculina: há evidências de que a circuncisão masculina pode ajudar a reduzir o risco de contrair a infecção pelo HIV.

Se você acha que pode ter sido infectado pelo HIV ou corre o risco de contrair o vírus, consulte um médico o mais rápido possível. Aqui na VidaClass você tem acesso aos melhores infectologistas do país, com as melhores condições de pagamento do mercado. Visite o nosso site.

Dezembro Vermelho: causas e sintomas

A síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) é uma doença crônica, potencialmente fatal, causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). Ao danificar o sistema imunológico, o HIV interfere na capacidade do corpo de combater infecções e doenças.

O HIV é uma infecção sexualmente transmissível (IST). Também pode ser transmitido pelo contato com sangue infectado ou de mãe para filho durante a gravidez, parto ou amamentação. Sem medicação, pode levar anos até que o HIV enfraqueça seu sistema imunológico a ponto de você ter AIDS.

Os sintomas do HIV e AIDS variam, dependendo da fase da infecção. Algumas pessoas infectadas pelo HIV desenvolvem uma doença semelhante à gripe dentro de duas a quatro semanas após o vírus entrar no corpo. Esta doença, conhecida como infecção primária (aguda) pelo HIV, pode durar algumas semanas. Os possíveis sinais e sintomas incluem:

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Dores musculares e nas articulações
  • Irritação na pele
  • Dor de garganta e feridas na boca
  • Gânglios linfáticos inchados, principalmente no pescoço
  • Diarréia
  • Perda de peso
  • Tosse
  • Suor noturno

Esses sintomas podem ser tão leves que você pode nem notá-los. No entanto, a quantidade de vírus em sua corrente sanguínea (carga viral) é bastante alta neste momento. Como resultado, a infecção se espalha mais facilmente durante a infecção primária do que durante o estágio seguinte.

Se você acha que pode ter sido infectado pelo HIV ou corre o risco de contrair o vírus, consulte um médico o mais rápido possível. Aqui na VidaClass você tem acesso aos melhores infectologistas do país, com as melhores condições de pagamento do mercado. Visite nosso site!

Dezembro Vermelho: HIV x Aids

O HIV continua sendo uma das ameaças globais à saúde mais sérias de nosso tempo. Em 2020, cerca de 37,6 milhões de pessoas estavam vivendo com HIV no mundo e cerca de 690 mil pessoas morreram de doenças relacionadas à AIDS.

Freqüentemente, os termos HIV e AIDS são usados alternadamente, levando a confusão sobre suas diferenças. Por isso, hoje falaremos sobre a definição e as diferenças de ambos os termos.

HIV significa “vírus da imunodeficiência humana” e pertence a um grupo de vírus denominado retrovírus. O HIV ataca os glóbulos brancos dentro do sistema imunológico. Essas células permanecem infectadas pelo resto de suas vidas. Se não for tratado, o HIV se transformará em AIDS.

Já AIDS significa “síndrome da imunodeficiência adquirida” e às vezes é referida como ‘estágio avançado de HIV’ ou ‘doença avançada de HIV’. Esse é um termo abrangente para as doenças que ocorrem devido à infecção por HIV não tratada por vários anos, quando o sistema imunológico fica gravemente danificado e incapaz de combater infecções. As doenças e os sintomas variam para cada pessoa com AIDS, mas podem incluir infecções com risco de vida e câncer.

A única maneira de descobrir se você tem HIV é fazendo o teste do vírus. Não há teste para AIDS, pois é um conjunto de infecções e doenças que ocorrem por causa da infecção por HIV não tratada.

Por isso, é muito importante manter os exames sempre em dia. Acesse nosso site e agende uma consulta hoje mesmo com os melhores especialistas do Brasil. 

Dezembro Vermelho: entenda a importância dessa campanha

O mês de dezembro tem uma luta especial:  a luta contra a Aids. Anualmente, ONGs de todo o mundo chamam a atenção para a epidemia do HIV e lutam contra o estigma da doença. E nesse ano de 2021, não poderia ser diferente. Com o lema “Acesso Igualitário e Voz para Todos”, a campanha clama principalmente pelo avanço dos estudos e tratamentos do vírus. 

De acordo com o Ministério da Saúde, há no Brasil cerca de 766 mil pessoas diagnosticadas com o vírus. Dados apontam também que cerca de 135 mil pessoas convivem com o vírus e não sabem.

Desde a sua descoberta em 1984, mais de 35 milhões de pessoas morreram em decorrência da doença, resultados esses que tornam a AIDS uma das pandemias mais destrutivas do mundo. 

Pacientes com HIV que fazem o tratamento adequado têm uma qualidade de vida melhor e o primeiro passo é fazer o teste. Aqui na VidaClass, você tem acesso aos melhores laboratórios e pode fazer os exames indicados ou um hemograma completo com um preço acessível. Visite o nosso site para mais informações.

Câncer de próstata – como prevenir

Embora muitas pessoas possam se perguntar como prevenir o câncer de próstata, não há uma maneira de evitar a doença. Manter-se saudável à medida que envelhece ou tentar reverter os problemas de saúde existentes pode diminuir o risco. No entanto, como todos os cânceres, o câncer de próstata tem certos fatores de risco que não podem ser evitados, pois é principalmente uma “doença do envelhecimento”. 

Conforme envelhecemos, nossas chances de desenvolver câncer de próstata aumentam. Etnia e genética também desempenham um papel significativo. Homens negros, por exemplo, têm o dobro de chances de desenvolver câncer de próstata em relação aos brancos. Além disso, se um ou mais parentes de sangue tiveram câncer de próstata, é mais provável que você também o tenha.

A prevenção da doença pode ser difícil se você tiver esses fatores de risco, mas o rastreamento precoce pode muitas vezes garantir que ele seja diagnosticado e tratado o mais rápido possível.

Porém, mesmo os homens que já estão em maior risco devido à idade, raça ou genética podem reduzir suas chances de desenvolver câncer de próstata, adotando dietas e estilos de vida saudáveis.

Deixe o preconceito de lado e cuide da sua saúde. Acesse o nosso site e agende uma consulta com os melhores especialistas do Brasil.

Câncer de próstata – sintomas e tratamentos

A próstata é uma glândula encontrada apenas em homens e faz parte do fluido que faz parte do sêmen. O câncer de próstata começa quando as células da próstata começam a crescer descontroladamente. 

O câncer de próstata geralmente não causa nenhum sintoma até que o câncer cresça o suficiente para colocar pressão no tubo que transporta a urina da bexiga para fora do pênis (uretra).

Os sintomas do câncer de próstata podem incluir:

  • necessidade de fazer xixi com mais frequência, muitas vezes durante a noite;
  • dificuldade em começar a fazer xixi (hesitação);
  • esforço para fazer xixi;
  • fluxo fraco;
  • sensação de que sua bexiga não esvaziou totalmente;
  • sangue na urina ou sangue no sêmen;

Uma vez diagnosticado, é importante discutir com a equipe médica todas as opções de tratamento, incluindo os objetivos e possíveis efeitos colaterais, para tomar a decisão que melhor se adapta às suas necessidades. 

Algumas coisas importantes a serem consideradas incluem:

  • O estágio e o grau do seu câncer
  • Sua idade e expectativa de vida
  • Quaisquer outras condições graves de saúde que você tenha
  • Seus sentimentos (e a opinião do seu médico) sobre a necessidade de tratar o câncer imediatamente
  • A probabilidade de que o tratamento cure o seu câncer (ou ajude de alguma outra forma)
  • Seus sentimentos sobre os possíveis efeitos colaterais de cada tratamento

Esses sintomas nem sempre podem significar câncer, por isso é importante procurar um especialista para ter um diagnóstico correto. Aqui na VidaClass você tem acesso aos melhores proctologistas e oncologistas do Brasil. Acesse o nosso site e marque a sua consulta e exames hoje mesmo.